Como se preparar para um possível ajuste

Havia um time de futebol em Minas Gerais que estava indo muito bem. Ganhava títulos importantes e conseguia mais torcedores ano após ano. A confiança na equipe e nos dirigentes era muito grande e todos diziam que o time era “incaível”, um neologismo que fazia referência à impossibilidade de a equipe ser rebaixada à segunda divisão do campeonato nacional. E ninguém apostaria nisso, afinal, o time tinha acabado de ser bicampeão da Copa do Brasil e era um dos favoritos para ganhar o Campeonato Brasileiro de 2019 ou qualquer título que viesse a disputar no ano. Um verdadeiro case de sucesso.

Como vocês podem imaginar, estou falando sobre o Cruzeiro. Em meados do ano passado foi revelada uma série de irregularidades em contratações, desvio de verbas, dívidas altas e até indícios de lavagem de dinheiro. Infelizmente para esse time, em que tudo ia de vento em popa, a confiança foi quebrada fazendo com que, do dia para a noite, todos perdessem a confiança na equipe e nos dirigentes.

Após o escândalo, mais denúncias surgiram, descontentamento com técnicos, jogadores e vários outros problemas vieram à tona. O final da história já sabemos, mas as lições ficam.

O mundo inteiro hoje está surfando uma onda de prosperidade, em que os bancos centrais estão mascarando os problemas por meio da impressão desenfreada de dinheiro. Há uma confiança incrível na capacidade dos banqueiros centrais de resgatar a economia e não deixar que um colapso aconteça.

Impressão de dinheiro nunca funcionou na história da humanidade. Desde os tempos romanos, imperadores tentavam reduzir os valores das moedas misturando outros metais no lugar de ouro, prata e bronze. Ou seja, desvalorizavam a moeda, já que não era possível imprimi-la. Os efeitos imediatos eram quase sempre satisfatórios, mas uma conta absurda chegava logo mais à frente.

Uma vez que a confiança no sistema era quebrada, a inflação aparecia rapidamente e as consequências eram desastrosas. 

Os problemas que existiam no mundo no final do século passado ainda são os mesmos que estão aí hoje, só que menores. Na época do crash da internet, o Fed reduziu a taxa de juros para 1% a.a. por cerca de 2 anos, depois a aumentou aos poucos. Isso causou uma bolha ainda maior, a imobiliária. Para tentar resolver o problema da bolha imobiliária, o Fed abaixou a taxa para zero e a deixou lá por quase 10 anos. Além disso, ainda foram impressos trilhões de dólares por meio dos programas de QE e Operação Twist.

Os problemas do mercado financeiro estão aí, para qualquer um que queira olhar possa enxergar. Mas hoje todos confiam na capacidade dos bancos centrais de postergar o inevitável. O problema é que a confiança é algo que se perde rapidamente e deixa efeitos catastróficos ao ser perdida.

Qual seria a defesa contra um problema no mundo? Eu tenho um palpite: o ouro. O ouro era dinheiro há 3 mil anos, é dinheiro hoje e suspeito que continuará sendo por muito mais tempo. É um seguro que devolve o dinheiro investido no longo-prazo com correção. E a hora de se comprar um seguro é justamente quando a confiança está nas máximas e a situação não deveria inspirar segurança. No futebol, nas finanças e na vida, é importante saber que não há almoço grátis e excessos são corrigidos eventualmente.

Disclaimer: Esse texto reflete a opinião do autor e não constitui uma sugestão, recomendação, indicação e/ou aconselhamento de investimento. Nenhuma decisão de investimento deve ser tomada com base nas informações ora apresentadas, cabendo unicamente ao investidor a responsabilidade sobre qualquer decisão que venha a tomar.

O autor detém e negocia ativos ligados ao tema abordado em sua carteira proprietária e/ou na de clientes sob sua gestão remunerada.

2 Comentários

  1. daniel says:

    O que você acha do BTC?

    • Marcelo Lopez says:

      Oi, Daniel. Eu gosto das moedas virtuais por não dependerem de um banco central, mas não conheço o tema a fundo para ter uma opinião sobre valor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *