O momento chegou?

Num dos primeiros posts desse ano eu já alertava para um possível crash nos mercados, dizendo que os preços dos ativos estavam muito acima da média histórica e que os juros nos EUA estavam subindo. Minha recomendação aos investidores à época foi cautela, bonds de empresas de primeira linha com vencimentos curtos e algumas ações com posição alta em caixa e baixo valor de mercado.

Será que agora chegamos ao momento do crash? Na minha opinião, é impossível saber, a não ser olhando para trás. Vamos descobrir daqui a algum tempo, mas já podemos notar algumas rachaduras na superfície. Por enquanto temos que nos contentar com indícios. A Apple, queridinha do mercado (e também de Warren Buffett), está mais de 20% abaixo do seu pico trilionário atingido há cerca de dois meses. A Nvidia, provavelmente a ação mais badalada dos últimos anos, está quase 50% abaixo do seu pico, também atingido há quase dois meses, e agora é arrastada para baixo pelo mesmo fator que a impulsionou: as criptomoedas.

Além dos dois exemplos acima, podemos ainda mencionar vários outros, como as notórias FAANGs – Facebook, Amazon, Apple, Netflix e Google -, as ações de momentum (cuidado com o seu fundo multimercado brasileiro que investe nelas) e as de tecnologia.

O risco, como já disse algumas vezes, começa aos poucos, depois vem como uma enxurrada. E os riscos estão aumentando, com os mais fracos sofrendo primeiro. Começou com as criptomoedas, sobre as quais eu já havia alertado, depois recaiu sobre os mercados emergentes, notadamente Turquia e Argentina, e agora passou para o mercado acionário.

Para as pessoas que acham que o Brasil tem um novo presidente e que ele está focado em reformas e com muita boa disposição (que, por sinal, parece ser o caso), gostaria de lembrar da Argentina, que elegeu Mauricio Macri e cuja moeda já perdeu quase 50% do valor nos últimos meses.

O que os Bancos Centrais fizeram na última década foi somente postergar os efeitos da última crise, que foi consequência das mesmas atitudes dos mesmos Bancos Centrais como resposta à crise que a antecedeu. Ficou confuso? Explico. Sob a justificativa de conter os efeitos deletérios do estouro da bolha das ações de tecnologia em 2000, o Fed reduziu a taxa de juros e conduziu uma política monetária expansionista. Em agosto de 2007, depois de anos de excesso de liquidez, a conta chegou junto com o estouro da bolha do subprime, dando início à crise financeira global. O que as autoridades monetárias fizeram? Conduziram uma nova política expansionista, de dimensões e audácia sem precedentes, diga-se de passagem. O que isso nos mostra é que não há uma solução definitiva e os Bancos Centrais fazem a única coisa que sabem fazer: abaixar a taxa de juros e imprimir mais dinheiro, fazendo com a economia alterne entre booms e busts.

Com menos taxa de juros e mais dinheiro, os investidores foram buscar retorno e se esqueceram do risco. Acredito que os problemas de hoje estejam piores que em 2008. Naquela época, o montante de dívida no mundo era de cerca de US$173 trilhões. Hoje já são mais de US$250 trilhões. Nada foi resolvido, simplesmente maquiaram os efeitos da crise com impressão de dinheiro e juros artificialmente baixos.

Tudo Isso fez com que os preços dos ativos subissem bastante, contudo de forma irreal, não baseada em ganhos de produtividade ou em crescimento sustentável. A conta vai chegar, só não sei se é agora. Continuo recomendando prudência.

Um Comentário

  1. César Oliveira Lobo says:

    Outro indício da mudança de paradigma dos mercados globais foi a implosão dos produtos “short vol” em fevereiro – XIV e SVXY. Indubitavelmente o ambiente macro mudou e aqueles que não notaram ou são delusionais ou não tem “skin in the game”

    Abraço,
    César Oliveira Lobo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *