Os bancos centrais e nossa liberdade

Há muitos anos, um famoso dono de zoológico ficou sabendo de uma nova gazela na África, que era bem rara em zoológicos por ser mais rápida e inteligente que as normais. Elas ficaram conhecidas como gazela de Thomson. O homem, ambicioso que era, decidiu que queria ter uma em seu empreendimento e partiu para a África.

Chegando lá, foi informado de que era praticamente impossível capturar vivo um desses animais, porque não caiam em armadilhas, independente de quão sofisticadas fossem. Pois ele não se deu por vencido e decidiu seguir em frente com seu plano.

Após apenas algumas semanas, o homem já tinha um rebanho dessas gazelas. Algumas foram vendidas e outras levadas para seu zoológico. Todos ficaram espantados com a eficácia dele em conseguir capturar esses animais, mas ele explicou.

Após localizar um grupo, o homem foi lá à noite e espalhou bastante aveia. As gazelas vieram e comeram. Ele repetiu o mesmo procedimento por mais duas semanas. Após esse tempo, colocou um poste ao lado da aveia. Elas pareciam não se importar e vieram assim mesmo se alimentar. No dia seguinte, colocou outro poste e, ainda assim, os animais vieram ao banquete. E assim foi, sucessivamente, até que o local onde as gazelas comiam a aveia estava praticamente todo cercado, com apenas um espaço para que elas entrassem.

No dia seguinte, as gazelas retornaram e entraram no cercado para comer a aveia. O homem, então, colocou o último poste fechou o portão, capturando uma manada inteira de uma vez.

Dando um pequeno benefício aparente para as gazelas, elas foram, paulatinamente, entregando sua liberdade ao homem.

Estamos vendo os mercados caindo esses dias, sofrendo com as repercussões do coronavírus, rebatizado Covid-19, e das paralisações de fábricas e do comércio mundial. E qual seria a cura para o vírus? De acordo com os bancos centrais e vários especialistas no setor, mais estímulo, seja via QE ou redução da taxa de juros, seja através de intervenções diretas no mercado.

Muitos agentes de mercado estavam contando com essa ajuda logo no começo da semana. Como isso poderia combater o vírus eu ainda não sei, mas daria mais alegrias aos mercados, fazendo as ações dispararem novamente. A festa não pode acabar (spoiler alert: uma hora ela acaba).

Voltando ao assunto dos bancos centrais, que estão imprimindo dinheiro e abaixando artificialmente o preço da moeda, a taxa de juros, não consigo parar de pensar no caso das gazelas, que foram cedendo sua liberdade em troca de comida fácil e pagaram um preço alto por isso. 

Os bancos centrais imprimem dinheiro do nada e, com esse dinheiro, compram ativos financeiros, como ações e bonds, por exemplo, mantendo os preços inflados por um tempo. Pense na ilegalidade desse movimento: os controladores dos bancos centrais estão comprando ativos ligados a atividades operacionais na economia real sem custo algum! O banco central da Suíça, o Swiss National Bank, sobre o qual já escrevi aqui, hoje controla mais de US$100 bilhões em ações de empresas no mundo inteiro. Mas isso é o que sabemos, pois eles são obrigados a reportar para a SEC nos EUA, mas não para outros órgãos em outros países. Estou falando de Facebook, Amazon, Microsoft, Apple, Alphabet, Johnson & Johnson, Visa, Mastercard, Coca-Cola, Disney e várias outras companhias.

Estamos nos tornando escravos dos bancos centrais e estamos felizes nesse processo, já que as ações estão subindo e estamos ficando um pouco mais ricos. Estamos trocando nossa liberdade por migalhas e ninguém parece se importar. 

Daria até para pensar que mini-crises são fabricadas para que o mercado peça mais estímulos e mais impressão de dinheiro. Está ficando fácil demais para eles, já somos todos iguais ao cachorro de Pavlov, que salivava só de ouvir a campainha.

A mesma armadilha que funcionou com as gazelas na África também está funcionando com os homens hoje. Eventualmente vamos acabar todos lá – é o que eu chamo de entrar no socialismo pela porta dos fundos.

Um Comentário

  1. Alexandre Cruz says:

    Muito boa analogia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *